21 de out de 2018

Por que a imprensa odeia Bolsonaro? (Vídeo)


Qualquer um percebe a tentativa desesperada de destruir a imagem do candidato Jair Bolsonaro, mas alguns ainda não sabem que por trás do ódio descontrolado e cada vez mais descarado tem um motivo bem $imple$.

19 de out de 2018

Folha de São Paulo, Fake News(Paper)

A matéria de ontem da Folha de São Paulo apresenta algumas curiosidades. Primeiro, o jornal que chama de “suspeito” até o criminoso confesso, que escreve “suposto” mesmo quando existem cenas gravadas de um crime, escreveu objetivamente “empresas bancam” (mensagens a favor da campanha de Jair Bolsonaro). Ao longo da reportagem ocorre a mesma coisa, ao invés do “teria” ou "seria", tão usados naquela redação, a jornalista fez questão de usar palavras e expressões bastante objetivas, como se estivesse mostrando provas irrefutáveis, coisa que qualquer um que saiba ler percebeu que não foi o caso: a matéria diz que a Folha “apurou”, mas não apresentou (ao menos até agora) nenhum documento, nenhum depoimento que corroborasse suas afirmações taxativas –  todos os ouvidos negaram.

A segunda curiosidade é o timing. Na última semana, após as publicações dos institutos de pesquisa (que eu nem levo em consideração), indicarem não apenas a vitória de Jair Bolsonaro, mas também a tendência de aumentar a distância do segundo colocado, o PT e seus puxadinhos começaram a colocar a culpa no WhatsApp, nas redes sociais e nas chamadas Fake News, em uma típica fuga da responsabilidade: o partido que destruiu o Brasil e teve dezenas de seus membros presos por corrupção insiste na ausência de senso crítico, coisa que foi eternizada na fala do aliado Cid Gomes.



GOMES, Cid
Vocês lembram quando vários órgãos da grande imprensa publicaram uma manchete idêntica, no mesmo dia e no mesmo horário, “coincidentemente” defendendo o investidor George Soros? Pois é, agora um dos seus tentáculos, o Avaaz, está oferecendo um prêmio de U$100.000,00 para quem entregar provas que comprometam a candidatura de Jair Bolsonaro, Essa oferta generosa ocorre logo após a matéria da Folha de São Paulo, escrita pela petista declarada Patrícia Campos de Melo e poucos dias depois de outros capangas de Soros, as agências de Fact Checks e os censores disfarçados de caçadores de Fake News, pressionarem o WhattsUp para silenciar os eleitores do Capitão.







Para quem não sabe, George Soros é o mesmo que disse que destruiria Donald Trump, que criou um Partido das Sombras” que controla a banda podre do Partido Democrata americano e é dono de uma ONG, a Open Society, que entre outras maravilhas possui um braço chamado Project Syndicate, que produz e distribui “informações” para dezenas de milhares de jornalistas em todo o mundo. Além disso, Soros é conhecido no Brasil por financiar o “jornalismo” isentíssimo do Mídia Ninja, entre outras aberrações ideológicas.
Coincidências



A Open Society, que é uma das principais financiadoras das causas defendidas pela esquerda internacional, é uma organização estrangeira, e segundo a nossa Constituição, não pode influenciar o processo eleitoral sob pena de crime eleitoral. Mas isso ninguém da grande imprensa vai lembrar porque afinal de contas o Titio $oros é um cara legal. Também não vão lembrar que o ex-Folha de São Paulo Fernando de Barros e Silva, atual diretor de redação da revista Piauí, revelou que em uma reunião interna na Folha a cúpula do jornalismo admitiu que tentariam prejudicar Bolsonaro “fingindo fazer jornalismo”.



Vale lembrar também, já que a grande imprensa nunca lembrará, que quase todas as acusações contra os apoiadores de Bolsonaro foram desmentidas: o assassino do capoeirista já confessou que o crime foi consequência de uma briga de bar e que a motivação não passou nem perto das razões políticas que a mídia tanto proclamou. As pichações nazistas também foram desmascaradas, pois os responsáveis foram presos e tinham feito também pichações contra o candidato do PSL. Sem falar na distribuição de capim, nas ofensas na porta da CNBB e muitas outras que já se provaram atos perpetrados por petistas com o intuito de manchar a imagem do adversário.

Quem promove, de fato, as Fake News?




Link:  https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2018-10-18/pichacao-nazista-rj.html

Como se sabe, a coisa é bem complexa e não se resume à influência do diabólico Soros, nem à ideologia que corre nas veias da imprensa amestrada, contribuem também para esta campanha midiática contra Bolsonaro as motivações mais mesquinhas e rasteiras, causadas pelas suas declarações de que vai cortar parte das verbas de publicidade estatal. Neste grupo que se indigna por simples interesses fiduciários também podemos elencar o Bonde da Rouanet, apavorados com a possibilidade de verem suas “genialidades” obrigadas a buscar patrocínio entre empresas e consumidores, como acontece com qualquer um dos mortais que não pertencem ao Olimpo das celebridades. Uma ofensa, na visão deles.





Essa tigrada, que se ofende por não conseguir mais influenciar o povão, parece não ter entendido o que está acontecendo. Não entenderam ainda que o brasileiro médio acordou e usa as redes sociais para se libertar desses tutores que o enganaram e o exploraram durante décadas. Como subestimam a inteligência das pessoas na mesma proporção em que se consideram inteligentíssimos, os totalitários acreditam que podem tutelar a opinião pública e cercear os direitos alheios porque na mente doentia dessa gente nojenta as suas opiniões valem mais e pronto. Para eles o povo não está apto a fazer suas escolhas. São totalitários por natureza, mas fingem defender a democracia porque, além de tudo, são covardes dissimulados, daí a língua bifurcada e os eufemismos tão corriqueiros no seu vocabulário viciado e venenoso. Ou alguém acredita que Petê e o Peçol estão querendo “mais democracia” quando tentam censurar o que restou da imprensa livre, o Facebook e até o WhatsApp?


As evidências de que essa denúncia contra Bolsonaro é mais falsa do que nota de 7 são inúmeras e qualquer um que tenha estudado um pouco o panorama político e suas complexidades acha até graça quando vê que apesar do desespero e das tramas mirabolantes, o eleitorado parece que não cai mais nessa conversa mole e não se curva mais à pretensa autoridade midiática, prefere confiar na mensagem da tia, do amigo e do vizinho, que sabidamente não possuem os interesses desta casta pensante que se acostumou a mandar no país. Felizmente, e contra a vontade dos censores e totalitários, as redes sociais vieram para ficar, e para destronar os autointitulados gênios da raça. Como diria o Daciolo, Glória a Deuxx.



5 de out de 2018

O Brasil e a Nova Ordem Mundial - Vídeo sobre o novo livro




Novo vídeo no canal do escritor Alexandre Costa, autor das obras "Fazendo Livros", "Introdução à Nova Ordem Mundial", "Bem-vindo ao Hospício", "O Novato" e "O Brasil e a Nova Ordem Mundial".



Para comprar o livro "O Brasil e a Nova Ordem Mundial":
Com dedicatória: https://bit.ly/2wKtxnR
Vide Editorial: https://bit.ly/2LY0baY
Amazon: https://amzn.to/2NOd89k
Livraria do Seminário: https://bit.ly/2CgvFcN
Saraiva: https://bit.ly/2NeITv7
Liv. Bernardo: https://bit.ly/2LTfYYB
Zamboni: https://bit.ly/2LWMBVl
Ecclesiae: https://bit.ly/2oDv5MH
Loyola: https://bit.ly/2wJ9oPL
Liv. Nando Moura: https://bit.ly/2Ng8IuE
Liv. Terça Livre: https://bit.ly/2wDauwo
Liv. MVB: https://bit.ly/2Pv0rAo
Livrarias Curitiba: https://bit.ly/2wJ9oPL
Submarino: https://goo.gl/ZQN77z
Americanas: https://goo.gl/ptbwG8

Blog do autor: http://ordem-natural.blogspot.com.br
Loja virtual: http://rarosdaweb.org
Perfil Facebook: https://www.facebook.com/alecosta.on
Twitter: @rarosdaweb
Gab: @alexandrecosta
Mewe: mewe.com/i/alexandre.costa1
Skoob: www.skoob.com.br/autor/16519-alexandre-costa
Nova Ordem Mundial no FB: www.facebook.com/livro.novaordemmundial
Bem-vindo ao Hospício no FB: www.facebook.com/bemvindoaohospicio

4 de out de 2018

A Revolução dos Bichos – Minha leitura




Não existe nada mais gratificante para um escritor do que encontrar uma leitora atenta como Erika Boquimpani, que demonstra interesse pelo seu trabalho e respeita sua opinião a ponto de pedir uma análise de outro livro, no caso, um clássico. Como a maioria do que publiquei foi com o intuito de disseminar informações a respeito de projetos e iniciativas que de alguma forma contribuem para a formação de um governo totalitário, a análise do livro "A Revolução dos Bichos" se encaixa perfeitamente como complemento do meu trabalho, aprofundando a explicação por meio da imaginação e usando um dos livros mais importantes do século XX.

Rejeitado por vários editores, inclusive por TS Eliot, o livro de George Orwell foi finalmente lançado em 17 de agosto de 1945 e hoje ocupa lugar de destaque entre as obras mais importantes do seu tempo, para surpresa – e desgosto – daqueles que não aceitaram publicar a fábula por razões políticas ou por falta de tato.

O romance, que se confirma satírico também pelo uso de personagens antropomórficos, critica duramente os sistemas de governo que procuram controlar toda sociedade de acordo com um planejamento que supostamente vai corrigir todos os erros humanos e todos os problemas causados pelo convívio entre pessoas. Dado o contexto histórico em que está inserido, o livro é ao mesmo tempo um ataque à União Soviética de Joseph Stalin e um deboche aos pilares que compõem as principais teses do socialismo, comunismo, nazismo, fascismo e outras formas de regimes autoritários ou totalitários que se arrogam o direito de planejar toda sociedade.

A crítica ao Stalinismo, que deve ter motivado o autor a escrever a fábula política mais precisa do século, está representada na liderança tirânica e no poder progressivamente crescente, que evolui desde a tomada do poder e culmina na consolidação de uma autoridade praticamente absoluta, que não por acaso recebe o nome de Napoleão. Orwell, que era um socialista decepcionado com a degradação econômica, social e moral da União Soviética, principalmente após a ascensão de Stalin, parece deixar uma pergunta ao leitor: “Foi pra isso que fizemos a revolução?”

Outra questão que pode remeter ao socialismo soviético é a briga entre os líderes do levante logo após a expulsão dos humanos. Essa ruptura não aconteceu apenas entre Stalin e Trotsky, que começa antes mesmo da morte de Lênin, mas costuma se repetir sempre, muito provavelmente devido à megalomania muito comum entre revolucionários. A união, a solidariedade e a camaradagem só existem no discurso pré-revolucionário. Deflagrada a revolução, a guerra pelo poder se sobrepõe a qualquer outro sentimento ou princípio. Desde a Revolução Francesa é assim.

O livro de George Orwell se tonou um clássico da análise política porque expõe o fracasso de toda idéia de controle da sociedade com uma perspicácia extraordinária. O escritor conseguiu captar a essência do movimento revolucionário e deu a ela uma forma bem humorada e aparentemente simples. Engana-se porém, quem subestima esta simplicidade. Como dizia Clarice Lispector, “só se consegue a simplicidade através de muito trabalho”. E foi isso que Orwell fez, unindo precisão e sutileza como apenas os gênios são capazes de fazer.

A Revolução dos Bichos, ou simplesmente Animal Farm, como a nomeou o seu autor, trata de uma óbvia comparação com os regimes totalitários que se instalavam na Europa naquele momento, especialmente na União Soviética. Na fábula moderna que Orwell criou, um porco ancião (Major, que pode ser visto como os intelectuais coletivistas que antecedem os regimes) inicia uma crítica à opressão humana e uma defesa da igualdade entre todos animais. Com a morte do porco velho, dois jovens (Bola de Neve e Napoleão) lideram uma revolta animal contra os proprietários da fazenda, sob o discurso da liberdade e prometendo também os outros dois lemas da Revolução Francesa, igualdade e fraternidade. O mundo ideal prometido pelos líderes, no entanto, começa a fazer água logo após a conquista da fazenda e a expulsão dos fazendeiros.

Em pouco tempo a liderança dos porcos começa a mostrar sua incompetência para gerir os negócios e a exploração dos demais animais aumenta progressivamente, enquanto crescem os privilégios daqueles que se diziam os protetores da igualdade, exatamente como aconteceu e acontece em absolutamente todos os regimes coletivistas. O crescimento do poder e da boa vida dos porcos passa a ser tão evidente que é preciso modificar algumas regras ditadas durante o processo revolucionário:
  • ·         Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo.
  • ·         Qualquer coisa que ande sobre quatro patas, ou tenha asas, é amigo.
  • ·         Nenhum animal usará roupas.
  • ·         Nenhum animal dormirá em cama.
  • ·         Nenhum animal beberá álcool.
  • ·         Nenhum animal matará outro animal.
  • ·         Todos os animais são iguais.


Uma a uma as leis são mudadas para manter o discurso e perpetuar o poder dos porcos sobre os demais, até que a última delas recebe uma “emenda” que completa a frase com “mas alguns animais são mais iguais do que outros”. Qualquer semelhança não é mera coincidência.

Napoleão, o porco que assume o poder ditatorial desde expulsão de Bola de Neve (Trotsky), e pode ser entendido como uma representação de Joseph Stalin, passa a obrigar os animais a marcharem, entoar hinos e palavras de ordem como forma de limitar o pensamento e doutrinar a mente dos súditos,  parodiando as paradas tão adoradas pelos tiranos.

Diante do fracasso da administração e do aumento da opressão sobre os animais, Napoleão passa a usar Bola de Neve como bode expiatório. Tudo que acontece de ruim na fazenda é por obra de planos de sabotagem dirigidos pelo porco que foi banido. O gênio de Orwell conseguiu reproduzir com exatidão a transferência de responsabilidade tão comum aos ditadores socialistas e comunistas: Fidel Castro não faz exatamente a mesma coisa ao culpar os EUA pela miséria cubana?

Outra representação brilhante existente em A Revolução dos Bichos é cooptação dos jovens para coloca-los contra a sociedade e até mesmo contra sua própria família. Quando a cadela tem seus filhotes, Napoleão os toma e leva para cria-los longe da mãe. Os cães somem durante boa parte da estória e só reaparecem quando surge uma ameaça de rebelião entre os animais, e então os cachorros se colocam em defesa dos porcos, até mesmo contra a mãe-cadela.

São inúmeras as referências e a cada leitura o livro pode mostrar ainda mais relações com a realidade política, desde o porco Garganta, que simboliza a retórica embelezada da propaganda do regime, até o nome da “ideologia”, Animismo, uma clara referência do comunismo, sem esquecer de Moisés, o corvo que anuncia “A Montanha” como uma espécie de Céu para os animais e era detestado pelos porcos da mesma forma que as religiões são odiadas pelos comunistas.

Para a minha área de estudos, que pretende entender e evitar o totalitarismo global, poucos livros foram tão importantes na educação do imaginário como este. Sabendo que é pela imaginação que criamos os princípios que vão preparar a aceitação ou rejeição a uma idéia, a importância de A Revolução dos Bichos só pode, talvez, ser comparada ao trabalho posterior de George Orwell, 1984, e ao livro de seu ex-professor, Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo.

A fábula de Orwell contém todos os elementos que podem ser observados no contexto dos planos de Nova Ordem Mundial: Tirania, centralização de poder, promessas de paz, igualdade e liberdade, construção do paraíso na terra, desejo de controle, privilégios das classes dirigentes, mentiras travestidas de ciência e diminuição do direito individual em troca de um suposto benefício futuro – que nunca se realiza.

Nascido Eric Arthur Blair, em 25 de junho de 1903, na cidade de Motihari quando o subcontinente indiano estava sob domínio colonial do Império Britânico, Orwell pertencia a uma família de classe média, com antepassados nobres e bem posicionados no poder e na Igreja Anglicana. Mais tarde ganhou uma bolsa parcial em uma boa escola católica, a São Cipriano, onde conheceu Cyril Connolly, editor da Revista Horizon, que publicou os primeiros ensaios do jovem Eric. Suas boas notas o levaram a ser bolsista em instituições de muito respeito à época, como Wellington College e Eton College, onde teve aulas de francês com Aldous Huxley, que mais tarde elogiaria o ex-aluno em uma carta, por ocasião do lançamento de 1984, seu livro mais famoso.

A atmosfera dos estudos, o contato com grandes pensadores e o panorama político fervilhante da Europa certamente influenciaram as mudanças de rumo que começaram a acontecer em sua vida, e o interesse por novos assuntos fez diminuir a dedicação aos estudos acadêmicos. Por influência do seu avô, fez parte da Polícia Imperial Indiana em Birmânia e viajou por muitos lugares da Ásia, até contrair dengue. De volta à Inglaterra decidiu que seria escritor e lança o romance "Dias na Birmânia", em 1934. Logo após este período sua vida material sofre um revés atrás do outro e ele acaba como lavador de pratos, mas sem deixar de escrever. Alguns romances desta época não foram lançados e se perderam, mas no jornalismo seu desempenho era cada vez mais notado. Neste período de vacas magras se aproximou do marxismo e juntou-se a um partido operário (POUM) que lutava contra Francisco Franco, na Guerra Civil Espanhola. Provavelmente sua decepção com a milícia marxista influenciou decisivamente nos seus últimos e derradeiros trabalhos: Animal Farm (1945) e Nineteen Eighty-Four (1949), pois além de ter danificado a sua voz ao ser baleado, viu de perto as hipocrisias, as falsidades e a sede pelo poder daqueles que diziam lutar contra os poderosos. Morreu de tuberculose aos 46 anos de idade, e este rápido e incompleto resumo da sua biografia serve para mostrar que quase sempre a compreensão da obra de um escritor aumenta consideravelmente quando se observa o contexto e as circunstâncias de sua vida.

Não tenho dúvidas de que A Revolução dos Bichos é um dos mais importantes livros já escritos. Sua simplicidade, seu texto objetivo e seus insights possuem uma profundidade que muitas vezes não é percebida devido ao seu formato. Desconfio que se este livro fosse indicado em todas as escolas desde a infância e adolescência, nenhum adulto seria cooptado pelos ideias coletivistas e revolucionários. Tenho esperança que um dia isso ainda aconteça.

Não deixem de ler o livro, além de ser uma obra de arte da literatura, é fácil, rápido e absolutamente acessível a qualquer um.



A revolução dos Bichos também foi adaptada para o cinema diversas vezes, e algumas versões são excelentes, mas ainda acho que a leitura do livro tem um alcance imaginativo (e cognitivo) impossível de ser captado em um filme ou desenho animado. De qualquer forma, aqui estão algumas versões:


Animal Farm (1999): filme feito para a TV, escrito por Alan Janes e dirigido por  John Stephenson.

***


Animal Farm (1954): animação dirigida por John Halas e Joy Batchelor

***


Nota: A Netflix pretende fazer uma nova adaptação do clássico. Ainda sem data definida (até onde eu sei), a equipe já conta com Matt Reeves (Planeta dos Macacos: A Guerra) e Andy Serkis, o eterno Sméagol de " O Senhor dos Anéis". 

Esperando ansioso...




3 de out de 2018

Bem-vindo ao Hospício, por Francisco Escorsim


Bem-vindo ao Hospício

Quando decidi escrever neste espaço sobre a chamada “nova direita”, tinha apenas um objetivo: ler e resenhar os livros publicados por autores que a integram, gostem ou não dessa inclusão que é apenas constatação de um fato. Não demorou para perceber que não daria para falar dessas obras sem contextualizá-las melhor nas circunstâncias em que nasceram, o que me levou a rascunhar as origens da “nova direita”, destacando fatos e pessoas de importância fundamental para o que veio depois. Agora que cheguei à fase em que os livros começaram a ser publicados, compreendi por que, lá no início, achava que deveria começar as resenhas pelos livros do Alexandre Costa. Não, não é o fundador da Cacau Show. Quem é, então?

Entendo se você se fez essa pergunta. Alexandre Costa não faz questão de participar das turmas da “nova direita”, algo essencial se quisesse se tornar mais (re)conhecido dentro dela. Porque essa “nova direita” mal entrou na adolescência, época em que a falta de personalidade é mascarada por uma identidade grupal visceral. Por isso qualquer um que dela faça parte será inevitavelmente enquadrado como sendo desse ou daquele grupo, ainda que não faça parte de nenhum. O que mais temos na “nova direita”, aliás, são pessoas que se identificam muito mais por negativas e exclusões do que outra coisa. A começar por aqueles que são de direita por e para não serem de esquerda, seja lá o que a direita for. Daí o fenômeno bem comum de termos conservadores ou liberais que assim se identificam com uma dessas posições mais para não serem confundidos com a outra. Dê uma mirada em muitos perfis de neodireitistas nas redes sociais e verá a quantidade de orgulhosos conservadores e liberais que se orgulham mais do que não são do que por aquilo que seriam, se de fato fossem.

Vai nessa percepção menos uma crítica e lamento do que a constatação de um fato crucial que é, no meu entender, o ponto de partida para compreender a “nova direita” a partir da realidade concreta na qual surgiu, qual seja, num contexto de despertar cultural e político que leva primeiro a descobrir o que não se é nem se quer para só depois, se amadurecer, tornar-se quem deverá ser e sabendo pelo que lutar. O que a paralisação dos caminhoneiros revelou senão justamente que temos muito a reclamar sem saber direito o que pedir? Ou alguém aí da “nova direita” vai dizer que a greve foi boa quando resultou em tabelamento de preço e consequente aumento de tudo o mais para bancar uma única conta, a do diesel? Enfim, enquanto esse amadurecimento não acontece, se é que vai ocorrer, melhor lema não há para a “nova direita” do que o verso de uma música da Legião Urbana, típica banda para adolescentes: “Acho que não sei quem sou, só sei do que não gosto”.

Nesse contexto, o sujeito que desperta recebe da realidade um “bem-vindo ao hospício”, que também é o título feliz dado por Alexandre Costa ao seu segundo livro, editado pela Vide em 2016, e cuja leitura recomendo a quem quer antes se orientar na confusão em que vivemos do que correr para fazer parte do grupo que for. Volta e meia, aliás, recebo pedidos de recomendação do que dar para ler para quem “acordou” da anestesia do politicamente correto ou do esquerdismo ainda reinante. Quase sempre indico este livro. Porque Alexandre é didático, simples e “descomplicador”. Além disso, não fala desde o ponto de de vista da “direita” ou algo assim, mas desde o seu próprio ponto de vista de escritor espantado com a loucura reinante e tentando apenas expressá-la: “o objetivo deste livro é simplesmente reunir algumas destas observações, que estão muito mais próximos do espanto do que da indignação”.

Mas expressar algo é também dar-lhe uma forma que pode ser mais ou menos condizente com a realidade do que se expressa. No caso desse livro, o que vai ganhando forma à medida que avançamos na leitura é a do próprio tratamento da loucura que diagnostica. O apanhado de sintomas e exemplos de uma sociedade doente, que ele classifica em psicoses políticas, neuroses culturais e loucuras sociais, não é exaustivo, nem pretende ser, mas é suficientemente completo para que o leitor faça um diagnóstico de si e dos demais à sua volta e descubra que “nas doenças intelectuais que abordamos aqui elas nunca surgem sem que tenham sido influenciadas por uma espécie de ignorância histórica que costuma evoluir para o que podemos chamar de amnésia coletiva. Da ignorância e amnésia passamos à histeria e a praticamente todas as outras neuroses”.

Ignorância histórica se cura com conhecimento da história, é claro, mas quando a ideologização do senso comum chegou ao ponto em que chegou, o que seria até simples de se resolver, bastando interesse e força de vontade, tornou-se bastante complicado, sendo mais fácil e infelizmente comum o indivíduo confiar no conhecimento de alguns cuja autoridade não advém de outra fonte que não a do grupo ao qual agora passou a pertencer. Tipos assim acabam enlouquecendo também, é claro: “O meu tipo favorito de ‘doido destro’ (…) é aquele cara que acredita que o simples fato de ser aluno ou leitor esporádico de alguém reconhecidamente inteligente faz dele um sábio sem esforço, por osmose. Como se ele já soubesse tudo aquilo que seus professores sabem e não apenas o que ele aprendeu, assim que consegue repetir dez ou vinte afirmações verdadeiras abandona o seu passado e troca de ‘roupa intelectual’. Logo após algumas postagens bombásticas no Facebook passa a agir (e pensar!) como um conselheiro independente que a sociedade deve ouvir caso queira estabelecer a paz, a moral e a civilização, essas coisinhas simples”. Por isso o autor tem toda razão em avisar: “Não pense o leitor que a insanidade é um monopólio da esquerda”.

Ao fim do livro, Alexandre dá um relato pessoal que nos serve de exemplo de como curar a ignorância histórica: começando por compreender melhor a sua própria história de vida. Ao escrever o livro, Alexandre se deu conta que, depois de décadas trabalhando em vários empregos e ramos profissionais, muito desses anos em editoras, um único espanto perpassa sua vida e o move a escrever: “o espanto de perceber como grande parte das pessoas da minha geração, seja no campo profissional ou pessoal, se afasta da realidade em busca do conforto da adequação. Vi isso acontecer diante do meus olhos: o sujeito enlouquece só para não ofender os outros loucos”.

É por isso que costumo recomendar a leitura desse livro do Alexandre aos recém-despertados nesse hospício em que vivemos. Porque ele dá um exemplo não só de alguém que não enlouqueceu para se adequar ao que quer que seja, como também de quem assumiu sua vocação, no caso a de escritor, tendo consciência de sua capacidade e limitações. Para compreender melhor esse exemplo é preciso falar também do seu primeiro livro, Introdução à Nova Ordem Mundial, editado por conta própria em 2013 e com uma segunda edição revista e ampliada publicada pela Vide em 2015. Se Bem-vindo ao hospício foi fruto de um espanto, este foi resultado de uma curiosidade de tentar entender o evento histórico mais relevante do século 21 até o momento: o atentado de 11 de Setembro nos EUA.

Isso o levou a descobrir e começar a conhecer o que se convencionou chamar de Nova Ordem Mundial, que segundo o autor “é um conjunto de iniciativas que visam a implantação de um governo mundial estruturado em camadas, mas centralizado em uma entidade global – talvez a ONU, talvez uma que venha a ser criada”. O livro, porém, não é uma análise desse fenômeno, mas uma coletânea das informações colhidas em mais de dez anos de estudos cujo objetivo é o de “servir de porta de entrada para a compreensão da mudança civilizacional que atravessamos. (…) Por serem bastante objetivas, as descrições não se aprofundam o suficiente, mas até por uma questão de credibilidade diante do desconhecido, o intuito é que o leitor faça por si mesmo uma pesquisa mais completa”.

O livro é realmente introdutório e tem um mérito que poucos possuem: diz muito com muito pouco. A edição que possuo, a primeira, tem pouco mais de 100 páginas, mas a quantidade de informações é tanta que somente um bom escritor conseguiria compactá-las de uma forma facilmente compreensível e, mais importante, sugestiva, a incentivar o leitor a descompactar muitas delas e estudar por conta própria. E este é o leitor que Alexandre gostaria de ter: “Meu leitor ideal é aquele que busca a confirmação ou refutação antes de formar juízo sobre a informação recebida. Tenho observado que as pessoas que pensam assim tendem a compreender melhor, em menos tempo e com mais profundidade”. Ele próprio dá exemplo de ser alguém assim.

Tive o prazer de conhecer o autor quando veio a Curitiba lançar seu primeiro livro, em 2013, na saudosa Livraria Danúbio. Temia encontrar um louco, pois era preciso estar maluco para querer publicar um livro por conta própria tendo por assunto algo tão vasto e complicado assim. Como a livraria estava cheia, fiquei esperando do lado de fora lendo o livro e já no primeiro parágrafo meu medo começou a se dissolver ao ler: “Não possuo qualquer autoridade no assunto e não tenho credencial que avalize o trabalho por antecipação”. Quando o evento na livraria acabou e pude conhecê-lo pessoalmente, o que mais me chamou a atenção foi sua humildade. De louco ele não tinha nada, era apenas corajoso de dar a cara a tapa com seu livro e esperar que, se alguma autoridade possuía, ela lhe seria conferida pelo próprio trabalho, mais nada. Depois desses dois livros e com mais dois no forno para este 2018, com promessa de um futuro romance, posso afirmar que a autoridade de Alexandre Costa só tende a crescer. Azar de quem não o conhecer.

Artigo publicado originalmente na Gazeta do Povo em 05/06/2018.

Francisco Escorsim é advogado, professor e palestrante. Escreve na Gazeta do Povo.


Para comprar o livro Bem-vindo ao Hospício: